A camisa moderna para homem tem uma longa história, ainda que a sua forma só tenha começado a desenvolver-se no final do século XIX. Em 1871, a firma Brown, Davis & Co., de Aldernmanbury, mandou registrar a primeira camisa com uma carcela vertical de botões ao longo do peito. Até essa altura, a camisa enfiava-se pela cabeça. Contudo, nessa época a camisa já há muito se tinha estabelecido como peça do vestuário exterior.

Até meados do século XVIII a camisa envergava-se sob o vestuário exterior, sendo apenas visível o colarinho. Assim, começou por fazer parte da roupa interior.

Até ao final do século XIX, a camisa branca era um sinônimo de distinção, uma vez que só quem fosse detentor de meios financeiros suficientes para mandar lavar as suas camisas com freqüência e, além disso, possuísse uma quantidade suficiente de camisas que lhe permitissem mudá-las amiúde se podia dar ao luxo de vestir camisas brancas. As camisas riscas só entraram em moda no final do século XIX, tendo sido difícil a sua aceitação como parte integrante do fato que, então se vestia no quotidiano citadino. Até no final do século XIX, predominava o colarinho de bicos em diversas variações. O tamanho da gravata determinava a largura do colarinho. O colarinho de bicos foi gradualmente substituido pelo colarinho voltado desde os anos 1930, o colarinho de bicos passou a ser apenas usado com o smoking ou fraque.

 

 

 

A camisa na sua forma atual quase não mudou desde o final da Primeira Guerra Mundial. Apenas lhe foi acrescentado o bolso com o desaparecer do colete de fato nos anos 1960. Contudo as camisas tradicionais para homem continuam a não ter bolso, tanto mais que ninguém sabe ao certo qual a sua utilidade.

  • Uma boa camisa tem varetas de colarinho retiráveis, caso a forma do colarinho o requeira. É esse o caso do colarinho voltado e do cutaway collar. É usado com ou sem gravata;
  • O escapular dividido por uma costura vertical tem a sua origem na alfaiataria tradicional;
  • Infelizmente, só em camisas muito boas, mas sempre em camisas feitas sob medida, existe a preocupação com o casar exato do padrão, nomeadamente na ligação entre os ombros e as mangas. Para esse efeito, casem-se ambas as partes do tecido, dobram-se seguidamente e ligam-se de novo. Essa operação permite uma maior durabilidade;
  • As riscas, os quadrados ou estampas finos deveriam aqui apresentar uma junção exata. Nas partes da camisa mais sujeitas a desgaste utilizam-se costuras reforçadas.;
  • Na maioria dos casos, as costas são um pouco mais longas do que o peitilho, de molde a preservar a forma correta, mesmo quando o seu portador se inclina para a frente. O comprimento correto é qual o peitilho e as costas se unem no gancho;
  • Os botões tradicionais de madrepérola são obrigatórios numa boa camisa.Hoje em dia, dobra-se o tecido para se obter o mesmo efeito. Uma carcela de botões dupla é bastante sólida, mas pode ter também um efeito rústico. É essa a razão pela qual as camisas mais finas têm muita vezes uma carcela simples;
  • No ângulo entre o peitilho e as costas, introduzida uma tira de tecido triangular como reforço;
  • Em camisa de boa qualidade, a passagem da manga para o punho é pregueada. Observa-se freqüentemente a presença de um pequeno botão por cima do punho, que evita o entreabrir deselegante da camisa e facilita o enrolar da manga, quando é desabotoado. As camisas de muito boa qualidade são caseadas horizontalmente, e não na vertical, trabalho esse que nas melhores camisas é feito manualmente;

Saiba mais sobre os tecidos ótimos para a camisa com qualidade, ótimo acabamento:

  • Algodão: 100% de algodão, é a fibra de origem vegetal originária do algodoeiro, que produz tecido que detém melhor capacidade de absorção de umidade,indicado para climas quentes e úmidos. Características: Confortável e durável. Cuidados: resistente ao uso, à lavagem, à traça e insetos. Atacado porfungos. Queima com facilidade. Não resiste a produtos químicos;
  • Linho: a composição tem 21% linho, 57% algodão 8% Poliester, 12%viscose. é a fibra natural de origem vegetal procedente do talo do linho.Característica: o aspecto rústico, o que natural de sua fibra quando combinado com a viscose torna-se bastante favorável ao processo destingimento;
  • Chambray: 100% algodão (“Batiste”) é o tecido de algodão ou linho leve, com desenho tafetá, paracamisas e camisas finas, semelhante ao Batiste. Nome originado da cidade de Cambraia em França;
  • Flanela: tecido 100% lã cardada, é o peso leve a médio, contextura aberta, toque macio, desenho tafetá, com lado “flanelado” aspecto liso ou xadrez, antigamente muitoutilizado como roupa íntima masculina e feminina;

Para escolher o colarinho ideal com ou sem gravata, combinar seu rosto, ternos e deixar apenas 1 centímetro de folga entre a camisa e o pescoço.

  • Curto: é moderno, ideal para ternos e camisas ajustados. Para os mais altos, magro e rostos finos;

  • Francês: é o básico, combina todos os tipos de gravatas e todos tipos de rostos. Pode ser usado sem gravata;

  • Inglês: é uns dos mais alongado, sem usar gravata e não combina o rosto fino;

  • Italiano: são as pontas curtas e mais abertas, deixar a gravata de nó largo, ideal para o modelo windsor;

  • Americano: é informal, super moderno, ótima idéia usar a gravata afrouxada e deixar o visual desarrumado;

O colarinho é ideal para combinar o seu rosto, com terno e com o nó de gravata e deixar apenas 1 centímetro de folga entre a camisa e o pescoço.

  • Simples: é o punho curto e com casa apena botões é o mais usado nas camisas no dia em dia;
  • Duplo: uns dos mais chique, feito sob medida, possui de uma cor e a manga de outra;
  • Longo arredondado: são punhos duplos, esse modelo alonga o braço. O acabamento é arredondado;
  • Longo Chanfrado: mais longo do que normal, com recorte triangular para camisas de festas;
  • Duplo para abotoaduras: é chique, moderno e clássico pode ser usado no trabalho, casamentos e festas especiais. Tem a vira dupla e caseada para as abotoaduras (saiba mais sobre as abotoaduras clique aqui);

O @HomemModerno curtiu. E você?