Trabalhar de casa é claramente conveniente para muitos e parece que as pessoas têm se adaptado bem a esse novo estilo de vida. Em um relatório chamado ‘Trabalho em casa no Reino Unido: antes e durante o isolamento social de 2020’, alguns acadêmicos descobriram que 9 em cada 10 pessoas prefeririam continuar trabalhando de casa no futuro; O trabalho flexível tornou-se comprovadamente gerenciável e inesperadamente desejável. E isso está afetando a masculinidade.
 
A masculinidade já estava mudando antes do Covid. Mas a pandemia desintegrou ainda mais a forma tradicional da masculinidade e também gerou ideias sobre como a masculinidade se desenvolverá no futuro.
 
Nos últimos anos, as velhas ideias sobre o que é um homem ‘real’ foram colocadas sob escrutínio por movimentos como o famoso “MeToo” e em um mundo digital onde ‘outras’ vozes podem ser ouvidas, mudando o solo sólido sob os pés dos homens, especialmente dos homens brancos, como a força dominante na sociedade. A verdade é que vivenciamos um caos sobre o que é a masculinidade moderna.
 

Eu descobri que muitos homens têm abraçado a mudança, por um senso de uma sociedade mais justa, mas também porque os próprios homens têm lutado com as restrições masculinas, um conhecimento que sustenta o bate-papo sobre a saúde mental estar em crescimento exponencial e a consciência de que 75% dos suicídios são do sexo masculino (e esse número está em ascensão).

Então, como trabalhar de casa afetou isso?

O papel masculino na sociedade

A identidade masculina está intimamente ligada ao trabalho. No período pós-segunda guerra mundial, o ideal heroico foi desviado do campo de batalha para o ganha-pão. As arenas do sucesso pessoal eram o lar das mulheres e o trabalho dos homens. Claro, isso não se aplicava a todos, mas os ideais de gênero da sociedade, alimentados pelo marketing de massa, enterraram uma mensagem no fundo de nossas mentes inconscientes, que esses são os espaços naturais para os gêneros brilharem.

Com os homens, isso se manifestou na ideia de ‘work hard, play hard’, ou seja, vamos derramar sangue e suor (sem lágrimas) para o resultado final, e depois amanhecer no bar com os amigos, porque no clube dos meninos é onde as promoções realmente acontecem. A vida em casa veio em segundo lugar – ou seja, uma cultura de trabalho tóxica.

Esse tipo de cultura cria uma camisa de força de expectativas comportamentais que podem criar disfunções sérias.

Tais comportamentos geram o tipo de machismo que se esconde no ar quando os compromissos são marcados. Situações assim não são mais adequadas e as coisas estão mudando. Em parte, por meio da pressão pela igualdade – há uma enorme pressão para que mais assentos sejam ocupados por mulheres na liderança de grandes empresas – e também por causa dos potenciais problemas de saúde mental que os homens vêm desenvolvendo por conta da constante pressão por sucesso na carreira. Burnouts, estresse, vícios, problemas na saúde sexual, há um reconhecimento de que cumprir o infatigável, ser um alfa ideal não é bom para ninguém.

O que significa masculinidade ideal hoje em dia?

Os homens querem cuidar de seu bem-estar: é possível ver isso no boom de interesse por uma vida fitness, onde as conexões ocorrem em clubes de ciclismo, não mais em mesas de bares ou restaurantes, e na cultura empreendedora, onde todos têm uma segunda carreira ou um projeto pessoal o famoso ‘projeto de paixão’.

A existência presa à uma mesa de escritório já estava sendo questionada, e depois desse último ano foi considerada desnecessária. A tecnologia permite afrouxar as amarras e amarras do trabalho e isso traz um questionamento se o modo como vivemos agora por conta da pandemia de Covid, vai proporcionar novas perspectivas para o futuro.

O que mudou para os homens durante a pandemia?

Até certo ponto foram levantadas preocupações de que o espaço doméstico seria tomado pelas mulheres, assumindo a maioria das funções da casa e cuidado das crianças, enquanto os homens se ocupariam em crescer como pessoas.

A ONS (Office for National Statistics), descobriu que o primeiro confinamento levou a um aumento de 58% no tempo dos homens gastos com os filhos, antes que as coisas voltassem ao “normal” com o passar do ano. Parece que a domesticidade foi motivo de orgulho, por um tempo. No entanto, eu diria que as expectativas do empregador e a cultura de trabalho masculina foram responsáveis por reduzir os desenvolvimentos nessa área, já que pouquíssimas empresas incentivam esse tipo de comportamento.

Na verdade, o Promundo, uma organização global que educa homens para a igualdade, divulgou um relatório em 2019 pedindo que os homens assumam 50 minutos a mais de responsabilidade com os filhos por dia, argumentando que isso criaria mudanças profundas na sociedade, aliviando o fardo das mulheres para permitir mais liberdade de trabalhar.

Eu me pergunto se os homens podem lutar contra as expectativas ao seu redor para emergir da pandemia e desenvolver o sucesso doméstico como um motivo de orgulho para suas identidades. Um novo ideal masculino mais completo tornaria a vida mais feliz para todos. A verdadeira igualdade depende disso.

Mike Canto
Consulta de Remédios


Referências:
Coronavirus and homeworking in the UK: April 2020
Por que a taxa de suicídio é maior entre os homens?
Coronavirus and Homeschooling
Helping Men care