Lendo este post sobre o que os homens não devem usar, fiquei encucado. O que, de fato, pode e não pode na moda? Ainda há regras? Alguns fashionistas anunciaram o fim das tendências de passarela, em detrimento da liberdade de escolha de cada indivíduo sobre o que deve ou não usar. Além disso, existe também o que está estabelecido como certo e errado, bom ou ruim, bonito ou feio. Eu mesmo aqui no blog já falei sobre as tendências de passarela. Confesso que, muitas vezes, prefiro a moda de rua, ver o que as pessoas estão vestindo por aí. É um bom termômetro pra saber o que, de fato, é moda. Confesso também que tenho meus preconceitos em relação a certas coisas que as pessoas usam por aí (a pochete, por exemplo). Até um tempo atrás tinha muitos mais. Aí, quando comecei a entender que a moda é uma expressão individual do sujeito, de sua personalidade, mudei de opinião e até passei a aceitar alguns modismos que não aceitava antes (por pura ignorância).

Não vou aqui discutir de que forma se deu essa ditadura da moda, mas certamente a mídia tem papel fundamental nisso. Exemplo: as novelas brasileiras. A cada nova novelas das 8 surge um novo modismo e lá vai todos (especialmente as mulheres) copiar. Os chamados formadores de opinião também ditam as regras (atores, atrizes, personalidades, celebridades…), e não é só no mundo da moda, não! A discussão desse assunto é realmente longa e polêmica, cansativa até, no entanto é necessária. Usar uma roupa só porque está na moda é brega, total falta de estilo (acho que a listinha que o blog que citei lá em cima fez poderia incluir isso também). Falando em estilo, vale a pena citar o lançamento do livro de Costanza Pascolato, que deu várias entrevistas falando sobre o tal estilo e como criá-lo.

E a pergunta que não quer calar: o que pode e não pode na moda? Minha resposta é simples: pode o que te faz bem. Acredito que há, sim, regras básicas a serem seguidas (a etiqueta é um bom começo). No entanto, mesmo (e apesar) delas, acho difícil compor um estilo e seguí-lo. Leva-se uma vida. E por estilo entenda-se também comportamento, ideias etc., não só roupas. Certamente você não será unanimidade (como diz Costanza em uma de suas entrevistas, ter estilo é ser solitário), mas vale a pena!