NO CONSULTÓRIO

 


Cíntia e Chico estavam casados há oito anos e tinham três filhos. Num sábado, Chico não almoçou em casa; teve um encontro de trabalho. No fim da tarde, Cíntia recebeu um telefonema do marido, já com a voz alterada pela bebida, pedindo que ela fosse ao seu encontro. Chegando ao restaurante, foi saudada por Chico, que gritou: “Cíntia, hoje você vai conhecer a mulher que eu amo.” Acreditando ser uma brincadeira de mau gosto, Cíntia apressou-o para irem embora. Chico não respondia a seus apelos.Foi então que Cíntia, aturdida, assistiu à entrada triunfal de uma loura que foi direto à mesa de seu marido, abraçando-o e beijando-o. Enquanto isso, ouvia dele a frase que nunca conseguiu esquecer:  “Cíntia, essa é Rose, a mulher que eu amo.”

E abraçado a Rose, se retirou, deixando Cíntia sem ação. Desse dia em diante, Chico se encontra quinzenalmente com os filhos, mas nunca mais voltou para casa nem explicou nada a Cíntia.

Nem sempre os homens conseguem comunicar sua decisão de separar de forma tranquila e amistosa

 

Geralmente, quando uma mulher quer romper um casamento, tenta conversar com o marido para juntos buscarem uma solução amigável. E é comum isso acontecer sem que ela esteja necessariamente envolvida em outra relação amorosa.

Entretanto, nem sempre os homens conseguem comunicar sua decisão de separar de forma tranquila e amistosa. É possível que a culpa por estar se afastando da família e mesmo da mulher — que há anos se comprometeram a proteger — os leve a fugir de enfrentar uma situação tão delicada. O resultado pode ser rompimentos radicais e muito sofrimento desnecessário.

 

 

Saiba mais sobre a autora Regina Navarro Lins